terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Jenilson solicita à Nazareth reforço em segurança e saúde para Brasileiros que irão ao encontro do Papa no Peru


O deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB), presidente da Comissão de Segurança Pública e Narcotráfico da Aleac, se reuniu com a governadora em exercício do Acre, Nazareth Araújo (PT), para discutir a segurança na fronteira do Brasil com Peru, na cidade de Assis Brasil, durante a visita do líder da Igreja Católica ao Peru.

O deputado solicitou da gestora, que o governo do estado reforce o policiamento na fronteira em função da visita Pontífice ao Peru, na cidade Puerto Maldonado, a 600 quilômetros do Acre. O líder da Igreja Católica visitará o país vizinho durante os dias 18 a 21 de janeiro.

Preocupado com segurança dos brasileiros que irão se deslocar ao Peru, Leite pediu a petista que envie mais policiamento ao município de Assis Brasil, e um delegado.


Além disso, o parlamentar pediu ainda, que o serviço de urgência e emergência da fronteira seja reforçado prevendo um eventual acontecimento inesperado em decorrência do fluxo de veículos.

A estima é que cerca de 300 a 500 mil pessoas vá à cidade ver o Pontífice. Mediante isso, como a rodovia que dá acesso é federal, Leite encaminhou um ofício ao DNIT para que tome providências com relação aos animais em meio da rodovia.

A partir do dia 17, ninguém entrará mais no Peru, além dos que já estão com a autorização concedidas pelo consulado ou embaixada do país andino.

Já nesta terça-feira (16), as forças de forças de segurança do Estado, CIOPAER (aeronave), PF e PRF realizarão diariamente a Operação Santidade com objetivos coibir qualquer tipo de ameaças à segurança dos peregrinos e do primeiro papa sul-americano.

Serão utilizados equipes do BOPE, Canil , batalhão ambiental e táticos dos municípios de Xapuri, Brasileia e Assis Brasil.

A ação contará ainda com o apoio médico do Exército brasileiro em Assis Brasil, bem como Ambulâncias para transporte de feridos e a Aeronave da Secretaria de segurança pública.

Ações de seguranças foram discutidas pelo secretário de segurança pública, Emylson Farias, com as forças federais. Além disso, o governo do Estado contará com o apoio Policia Nacional Peruana e da Bolívia.

Todas as operações serão acompanhadas pelo Secretário de segurança e os comandantes da PM, Corpo de Bombeiros, Polícia Civil e Exército Brasileiro, bem como pelo Superintendente da Polícia Rodoviária Federal e Polícia Federal.

Fonte:AC24HORAS 

domingo, 7 de janeiro de 2018

No recesso, Jenilson visita moradores das comunidades ribeirinhas do Estado do Acre



Durante seis dias o deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB) esteve visitando os moradores das comunidades rurais que vivem às margens do rio Tarauacá, entre os municípios de Jordão e Tarauacá. A visita aos ribeirinhos ocorreu logo após o início do recesso parlamentar.


Desde que assumiu em fevereiro de 2015, o parlamentar aproveita o recesso que acontece no meio e no final de ano para passar alguns dias ao lado dos povos da floresta.


A excursão do deputado teve início no dia 16 de dezembro, quando esteve visitando as comunidades do baixo rio Jordão na cidade do mesmo nome. Sendo que no dia 17, ele participou da entrega de um gerador de energia na comunidade indígena Boa Vista.

Ainda no dia 17, Leite junto com a sua comitiva baixaram o rio Tarauacá, saindo de Jordão, município distante da capital Rio Branco a 500 km, para ver in loco a situação dos ribeirinhos, bem como participar de atividades de saúde, esportivas e ouvir as ponderações do homem do campo.

Já no dia 18, na comunidade de Alagoas, na qualidade de médico infectologista Jenilson Leite participou de uma ação de saúde promovida pela prefeitura de Jordão, com o apoio da Câmara de vereadores e do DEPASA- sendo representado pelo gerente local Luís Meleiro. A comunidade local foi beneficiada com exames de eletrocardiograma, consultas e distribuição de medicamento pela secretaria de saúde local.

Na região do município de Tarauacá, o deputado encontrou com uma comitiva formada pelo vereador Benigno, Fernando Feitosa, gerente da secretaria de estado de agropecuária. O parlamentar parou em todas as comunidades as margens do rio, ouviu os moradores e prestou conta das ações do mandato.


Durante a viagem foi produzido um relatório com as reivindicações dos moradores para ser apresentado as autoridades competentes para solucionar os problemas. Além disso, o deputado apresentará este relatório em plenário após o recesso legislativo.

Jenilson Leite já percorreu quase todos os rios acreanos aonde têm habitantes e visitou as vinte e duas cidades do Acre. “ Enquanto representante da sociedade no parlamento devemos conhecer suas necessidades para podermos buscar uma solução, e só podemos conhecer indo ver in loco. Por isso que a cada recesso parlamentar faço este percurso de barco nos rios acreanos, visito as aldeias, converso com os ribeirinhos, para que eu possa fazer um diagnóstico e questionar as autoridades constituídas para resolver os problemas dos nossos colonos e indígenas”.

O presidente da associação de moradores da comunidade União, Raimundo Cavalcante, fez questão de agradecer o deputado por mais uma visita à sua comunidade e por defender as reivindicações dos moradores quando foram postas. “ O deputado Jenilson é um homem simples, e tem defendido nossas pautas, por isso queremos agradecê-lo pelo trabalho em prol de nossa comunidade”. Já o pastor José Esmeraldino destacou que as ações de saúde que acontece durante a visita do parlamentar é muito importante para à população, “evita gasto com deslocamento e também exames que são inacessíveis por conta do isolamento de nossa gente tamos tendo acesso agora. Obrigado deputado pelo seu compromisso com o povo ribeirinho”,agradeceu o pastor.

FONTE: AC24HORAS

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Aleac aprova PL de Jenilson que presta homenagem póstuma a professora Rita Batista


Foi aprovado na sessão ordinária de terça-feira (12) o PL nº 140/2017,de autoria do deputado Jenilson Leite do (PCdoB), que modificar o nome do educandário Santa Margarida, passando a chamar-se Educandário Santa Margarida professora Rita Batista, local onde a mesma trabalhava e dirigia como se fosse seu lar, por isso é uma homenagem póstuma a umas das pessoas que mais se dedicaram as causas sociais no Estado como justificou o parlamentar .

Rita Batista morreu em novembro de 2017, deixando quatro filhos e seis netos. Foi fundadora do PCdoB no Acre, no ano de 1978. Alem disso, enfrentou a ditadura militar em defasa das mulheres e das causas sociais.

Ela foi a primeira mulher a apresentar um programa na rádio Difusora Acreana “A voz das selvas”. Na qualidade de militante política, ela disputou o senado em 1985, e 1988 concorreu ao cargo de vice- prefeita da capital acreana pela FPA.

Nos últimos três anos, Rita Batista foi dirigente do educandário Santa Margarida, cargo que exerceu com brilho e altivez.

Para o autor do PL, Deputado Jenilson Leite, Rita Batista merece ser homenageada por sempre ter defendido as causas mais nobres, na qual se destaca a defesa dos mais pobres. “Ela sempre lutou com honra, dignidade e altivez, possuindo a firmeza do ferro fundido e a leveza dos anjos. Uma pessoa que decidiu sua vida aos mais pobres", ponderou.

Assessoria parlamentar 

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Jenilson comemora acordo favorável entre camioneteiros e taxistas no Acre.


O deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB) se reuniu mais uma vez com os donos de caminhonetes que realizam o transporte de passageiro no trecho da BR-364, entre Rio Branco e Tarauacá. Desta vez, a reunião contou com a pa

Participação do presidente do sindicato dos taxistas, Esperidião Teixeira, e o diretor-geral da Agência Reguladora de Serviços do Acre- AGEAC, Vagner Freitas, para debater sobre a legalização do transporte de pessoas em caminhonetes. 


Jenilson Leite tinha apresentado um projeto de Lei que criava uma nova modalidade de transporte na jurisdição do Acre, que seria o uso das caminhonetes, contudo, o projeto está em discussão na CCJ da casa. 

Na última reunião , na sala de reuniões da Assembleia Legislativa do Acre, chegaram a um acordo que contemplou a todos. Por um lado, os taxistas e a AGEAC se sentiram contemplados porque não será criada uma nova categoria de transporte no Estado, já os freteiros, foram beneficiados porque poderão continuar fazendo este tipo de serviço até quitarem suas dívidas que contraíram pela compra de caminhonetes.

No acordo, intermediado pelo deputado Jenilson Leite ficou acertado que os donos de caminhonetes que realizam o transporte de Tarauacá a Rio Branco, poderão continuar exercendo suas atividades após firmarem um Termo de Ajustamento e Conduta (TAC) com o Ministério Público do Acre que contemplará apenas os vinte e um que estão da praça. O Órgão concederá um prazo para que os freteiros quites suas dívidas. Concluído este prazo, eles ficarão proibidos de transportar passageiro em caminhonetes, mas poderão optar por um novo negócio, ou até mesmo comprarem uma placa de taxi para realizaram o transporte intermunicipal em carro de passeios. 

Para o deputado, embora não tenha sido possível legalizar a modalidade de caminhonete, o objetivo foi alcançado que era chegar a uma solução. “A proposta de hoje agradou a todos, isso nos deixa feliz, porque saíram todos satisfeitos, por isso a importância do diálogo”, comemora o deputado.


Fonte  AC24HORAS 

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Jordão: município ganha o primeiro laboratório de análises clínicas


O progresso começa dar o ar da graça na pequena Jordão, a começar pelo processo de urbanização que inclui pavimentação de ruas , saneamento básico e água potável 24 horas nas torneiras.
Além dos investimentos do governo do Estado, um grupo de biomédicos resolveram apostar na cidade. 
Dra. Esther, Anderson Paiva , Phenix Paiva e Rosângela Mourão, os três últimos todos formados recentemente, inauguraram em Jordão o primeiro laboratório de análises clínicas do município. Biovale é o nome do empreendimento dos jovens que após formados e juntos com a experiente Dra. Esther optaram pelo negócio próprio.
O Biovale contribuirá significativamente para o progresso da saúde na cidade, evitará que as pessoas saíam do município para ir a outros lugares do Estado realizar exames que podemos considerar como simples, contudo, a maioria dos 22 municípios do Acre não dispõe, nem na rede pública muitos menos na particular.
O evento de inauguração foi prestigiado pela sociedade jordanense. Também esteve presente o médico e deputado estadual Jenilson Leite ( PCdoB).
Por Leandro Matthaus

domingo, 3 de dezembro de 2017

Jenilson Leite se reúne com lideranças indígenas de Jordão


O deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB) cumpre agenda no município de Jordão, desde quinta-feira (30), algo que já se tornou rotineiro na vida do parlamentar é aproveitar os dias que não tem sessão ordinária na ALEAC para visitar o interior do Acre. Na oportunidade, Jenilson se reuniu com as lideranças indígenas do município para tratar sobre as parcerias do governo do Estado com a prefeitura local que visem a melhoria nas aldeias.

Os povos indígenas de Jordão são da etnia Kaxinawá (huni kuin – que significa povo verdadeiro). Eles representam 40% da população do município, ou seja, mais de três mil habitantes, de um total 7.330.

Na pauta da reunião que contou a presença dos vereadores e do prefeito Élson Farias, correligionário do deputado, foram debatidas a liberação de recursos da Secretaria de Meio Ambiente do Estado para a construção de cupixaus, a construção de quatro escolas pelo Estado, bem como a construção de reservatório de água potável nas aldeias.

Jenilson Leite informou as lideranças indígenas da reunião que teve com o secretário de meio do Acre, Edgar de Deus, sobre a liberação dos recursos dos cupixaus. O recurso é referente ao convênio desenvolvido pela REM KFW e coordenado pela SEMA e IMAC, e tem como objetivo recompensar comunidades que preserve o meio ambiente, como, por exemplo, os povos indígenas. O REM fomenta a conservação das florestas e a redução de CO2. Este fomento se realiza por meio da remuneração financeira para as comunidades que assumirem o compromisso de reduzirem o desmatamento. “ O secretário me informou que os transmite para a liberação da verba deve ocorrer em breve, e também a previsão é que seja iniciado em março de 2018 a construção de suas casas”.


Com relação às escolas, o parlamentar salientou que o secretário de obras do Estado afirmou que o processo licitatório estaria sendo concluído e, que ainda no inicio de 2018, os recursos serão liberados.

Jenilson Leite tem sido um parlamentar defensor das populações indígenas do Acre, por isso foi escolhido pelas diversas lideranças das etnias que compõe os mais de 20 mil índios para ser o porta voz deles na Assembleia Legislativa do Acre. Já o prefeito Élson Farias tem buscado valorizar a comunidade indígena, na sua gestão foi criado uma pasta especifica para tratar sobre os problemas do povo kaxinawá, além disso, mandou os índios desenhar nos prédios públicos do município objetos que retratem a cultura dos huni kuin.

Ainda neste mês, Jenilson cumprirá outra agenda política em Jordão. Dessa vez, Leite vai descer o rio Tarauacá saindo de Jordão até o município que leva o nome do rio.

Fonte:Ac24horas

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Aleac realiza audiência pública em homenagem ao Dia Internacional da Solidariedade ao Povo Palestino

Por meio de um requerimento do deputado Jenilson Leite (PCdoB) foi realizada na manhã desta quarta-feira (29), no auditório da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), uma audiência pública para homenagear a data de 29 de novembro, Dia Internacional da Solidariedade ao Povo Palestino, instituído pelas Nações Unidas.
Neste momento a militância internacionalista organiza atividades com a intenção de rememorar a tragédia que os palestinos vivem desde 1948, ano em que a ONU aprovou, sem consulta aos habitantes locais, o Plano de Partilha da Palestina. Em tese seriam criados o Estado israelense e o Estado Palestino. Tal não ocorreu. Na verdade, ali se iniciava o martírio dos palestinos.
Em pronunciamento, o parlamentar comunista ressaltou que essa questão da Palestina com Israel não é só religiosa, mas sim uma questão jurídica. “Estamos hoje realizando esta audiência por solidariedade ao próximo. Não é porque os conflitos estão acontecendo bem longe daqui, no outro lado do mundo, que devemos fechar nossos olhos. Esta questão da Palestina com Israel não é só religiosa como a maioria pensa. É uma questão jurídica. É como a questão agrária que também temos aqui no Brasil, um problema que tem causado muitos conflitos”, enfatizou.
Um dos maiores ativistas pela luta dos palestinos no Acre, Abrahim Farhat, o famoso ‘Lhé’, falou da importância das atividades que envolvem o dia 29 de novembro e a luta do povo palestino pela paz e pela criação do seu Estado há 62 anos.
“Que bom que através de um projeto de lei do ex-deputado estadual, Luís Tchê hoje nós podemos comemorar essa data do dia 29 de novembro também no Estado do Acre. É importante a gente se envolver nas causas daqueles povos que têm dificuldades de superar os seus problemas sozinhos. Os palestinos já estão lutando há mais de meio século para terem um estado. É muito bom saber que nós não estamos sós, que todo o povo brasileiro está junto nessa corrente, isso me deixa imensamente feliz”, enfatizou.
De acordo com o padre Mássimo Lombardi, reitor da Catedral e coordenador da Pastoral Diocesana, a ONU traçou um plano de paz que não deu certo. “É uma situação muito triste, que se arrasta há muitos anos. Muitas pessoas já morreram nesse conflito e minha preocupação é que a situação só piora com o passar dos anos. A ONU traçou um plano de paz que infelizmente não deu certo. Só a diplomacia poderá resolver esse problema”, enfatizou.
Fazendo uma relação com o Muro da Palestina, idealizado para dividir os territórios israelense e palestino, a presidente da Comissão de Direitos Humanos do Poder Legislativo, deputada Eliane Sinhasique (PMDB), disse que para se construir uma relação harmoniosa e saudável é preciso que as pessoas derrubem os seus “muros”.
“Não estou falando só do muro da Palestina não, mas dos muros das nossas casas também. Se todo mundo quiser delimitar o seu espaço, a relação entre as pessoas deixará de existir, se tornará muito difícil. Uma casa que tem muros dificulta a relação entre os vizinhos, por exemplo. As pessoas não conseguem interagir, se ajudar. Muros não protegem ninguém, eles são apenas um obstáculo, nós precisamos acabar com essa cultura do individualismo. Nós precisamos derrubar os nossos muros”, ressaltou.

Mircléia Magalhães
Agência Aleac